LiveZilla Live Help
Semipresencial
Acesso do Aluno Início
GRADUAÇÃO (47) 3241-5077
PÓS-GRADUAÇÃO (47) 3241-5077
WHATSAPP (47) 99138-8703

Notícias

Conforme dados do MEC, cerca de 20 mil estudantes assistem às aulas em hospitais

Conforme dados do MEC, cerca de 20 mil estudantes assistem às aulas em hospitais
12/04/2018

Uma sala colorida no andar da pediatria do Instituto Nacional do Câncer (Inca) no Rio é um refúgio entre agulhas e remédios. Quando entram no “consultório” de Rosane Santos e Izabel Oliveira, os pequenos pacientes recebem outro tipo de tratamento: um giro pelo globo terrestre em miniatura, uma tela para pintar, atividades acompanhadas de um cavalo e um dinossauro de brinquedo. A dor? No que depender das professoras, fica dali para fora. A classe hospitalar do Inca existe há 18 anos e atende, por mês, de 30 a 40 crianças e adolescentes internados no local.

Eles fazem parte de uma estatística que vem crescendo nos últimos anos. Um levantamento feito pelo Núcleo de Jornalismo de Dados do GLOBO com base nos números do Censo Escolar mostra que o Rio tem a quarta maior taxa de alunos em hospitais no Brasil, com 94 para cada 100 mil matrículas. O Espírito Santo lidera, com 138 a cada 100 mil matrículas. Os microdados do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) revelam que houve uma evolução na taxa de matrículas em hospitais no país entre 2013 e 2017. No ano passado, elas somavam 20,6 mil, de um total de quase 54 milhões de inscritos em todos os níveis de escolaridade básica — da educação infantil ao ensino médio e técnico, incluindo Educação de Jovens e Adultos (EJA).

ROTINA IMPREVISÍVEL

Mais do que garantir que os pacientes não percam o ano letivo — o atendimento em hospitais funciona em consonância com as secretarias de educação —, as aulas têm um caráter terapêutico. A escola, que costuma ser um peso para os estudantes regulares, em um ambiente hospitalar acaba se tornando um dos raros momentos de diversão.

— A coisa mais legal que fiz no Inca foi ir para a escola. As professoras são ótimas. Na minha escola antiga, se eu derrubava uma borracha no chão, o professor já xingava — conta David Santana, de 9 anos, acrescentando que, quando sair do hospital, a primeira coisa que fará é soltar pipa.

O carinho de David pelas professoras ecoa pelos corredores do quinto andar do Inca. Rosane e Izabel são recebidas calorosamente pelos pacientes e por suas famílias todas as manhãs, quando checam quais alunos estão aptos a comparecer às aulas. Em alguns casos, o atendimento especial é adiado em decorrência do estado de saúde das crianças; em outros, as mesinhas com cores alegres da sala das professoras ficam totalmente ocupadas. A imprevisibilidade da rotina é um elemento com o qual as duas precisam lidar diariamente.

— No hospital, nós nos tornamos a pessoa que vai levar para aquela criança a vida, o mundo, uma alegria, em um espaço onde ela pouco opina. Uma criança dentro de um hospital pode optar pelo quê? Por nada. Ela tem que ser furada, tem que tomar remédio. E aí chega a professora e dá uma escolha: vamos estudar matemática ou português hoje? É a chance de ela continuar estudando, viva, acreditando que tem um futuro — defende Rosane.

Desde 2013 até o ano passado, o número de matriculados que tinham aulas em hospitais saltou de 9.996 para 20.607, enquanto o total de matrículas no Brasil teve uma pequena queda, de pouco mais de 55,4 milhões para 53,9 milhões. Com isso, a taxa de alunos tendo aulas em hospitais no país também aumentou, chegando a 38 para cada 100 mil.

Uma análise mais detalhada dos microdados mostra, no entanto, que esse número não dimensiona com exatidão a parcela de matrículas de alunos que estão internados em decorrência de problemas de saúde. Entre as matrículas há escolas que oferecem cursos técnicos na área da saúde, como enfermagem, que declararam que seus alunos têm aulas nesse tipo de ambiente, o que gera uma distorção. As instruções do Censo da educação básica, entretanto, são claras ao dizer que o atendimento em hospitais é voltado apenas para “os alunos que, de forma temporária ou permanente, estejam impossibilitados de frequentar a escola, devido ao tratamento de saúde em hospital”.

A possibilidade de proporcionar um novo olhar sobre o mundo para os estudantes reduz, mas não é capaz de eliminar os momentos de tristeza presentes na realidade dessas salas. As professoras, diferentemente dos médicos, não são treinadas para lidar com as dores do dia a dia hospitalar.

No caso de Rosane, o vínculo que cria com os alunos já fez com que, no início da carreira, precisasse se afastar após a perda de um deles. Hoje, a terapia é uma ferramenta para transpor com tranquilidade esses momentos. No caso de Izabel, a fé é a aliada principal.

— Tem que ter uma estrutura muito grande, porque vemos uma criança que está bem e quando voltamos na outra semana ela não está. É um desafio pessoal trabalhar em um espaço onde a morte está presente a todo momento — afirma Izabel. — Tem dias em que a gente fica muito mal. Mas há o outro lado, quando você chega e uma criança que está no CTI perguntou por você. Há as crianças que se recuperam e depois nos encontram e dizem que as aulas no hospital foram importantes, porque eles não perderam o ano e a vida escolar.

Fonte e foto: O Globo - 12/4/18

Comentários

Deixe seu Comentário


Voltar